Indústria pet

Indústria pet

Por: Mirela Luiz

Alta de 50% em custos de produção afetou crescimento em 2020

Em 2020 a indústria de produtos pet (levando em consideração alimentos, medicamentos e acessórios) deve faturar R$ 26,6 bilhões, crescimento de 16,8% em relação a 2019, já descontada a previsão para a inflação que está em 2,5%. Os números são da Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação).

O valor previsto leva em consideração os números de janeiro a setembro de 2020. Pet food representa 75% da receita; pet vet, 18% e pet care, 7%. Os dados não levam em conta as movimentações de serviços gerais, serviços veterinários, venda de animais ou transações gerais do varejo.

Para o pet food, a projeção para este ano indica um crescimento de 21% no faturamento e 9,1% no volume, em comparação ao ano de 2019. Em contrapartida, os custos para indústria devem aumentar em mais de 60% neste ano, o que evidencia descompasso na relação faturamento/custo. Essa disparidade afeta o preço do quilo do produto para o consumidor final.

“As matérias-primas que compõem alimentos pet tiveram aumento de custo que superou os 60% entre julho e outubro de 2020. São commodities como milho (aumento médio de 55% no valor), a soja (aumento médio de 60%) e a proteína de origem animal (aumento de 40%). Esses ingredientes correspondem a 90% do custo total da produção petfood”, explica o presidente executivo da Abinpet, José Edson Galvão de França. O valor do dólar tem afetado o preço das farinhas proteicas de origem animal. No período analisado a moeda americana chegou a superar 36% de alta, quando comparada com o mesmo período de 2019.

Assim, dólar, exportação e restrição de abastecimento das commodities para o mercado interno – além do aumento expressivo nas exportações de insumos (commodities) – impactaram de maneira intensa os preços e o faturamento das indústrias de pet food.

Por isso o histórico de aumento no faturamento não reflete, necessariamente, crescimento real do setor. A variação alia-se à mudança de hábitos de compra do consumidor, que migra de uma linha premium para uma básica, configurando assim a desaceleração do setor pet em função do cenário econômico atual.

Soma-se a isso a alta carga tributária (para pet food, produto mais procurado, é 54,2% sob o valor total), fazendo com que o crescimento real do setor seja baixo ou mantenha a indústria estagnada.

 

Mercado externo

De janeiro a setembro de 2020, as exportações do mercado pet brasileiro somaram US$ 195,9 milhões (FOB). Em valores da média do dólar em 2020 (R$ 5,03) isso representa R$ 985 milhões, a previsão é de alta de 8% para 2020 em relação a 2019.

Em 2020, as importações do 1º semestre caíram 2,5% em relação ao mesmo período de 2019 fechando em US$ 4,8 milhões (FOB). O total de janeiro a setembro foi de US$ 6,8 milhões (FOB). O segundo semestre iniciou-se com uma leve alta de 2,11% em relação ao mesmo período de 2019.

As exportações brasileiras do setor cresceram no ano passado (2019). Foram exportados R$ 295,11 milhões (FOB) em 2019, alta de 13% em relação a 2018. Pet food representou 83,79% desse valor, seguido por animais vivos (7,96%); acessórios (máquinas, aparelhos de pesagem, etiquetas, etc., com 6,16%); e petcare (1,83%).

Importações efetuadas pelo mercado brasileiro chegaram a US$ 8,7 milhões até dezembro do último ano, representando alta de 16% em relação ao ano anterior (2018).

 

Mundo

Estima-se que o mercado pet mundial deva crescer cerca de 3% em 2020. Um dos efeitos previstos é o Brasil retornando para a 3ª colocação no ranking, com a China se consolidando na 2ª posição. O avanço da China se deve à atualização do faturamento do mercado pet chinês, que nos anos anteriores não considerava a maior parte da sua população de cães como pets. O Brasil, dessa forma, consolida sua posição à frente do Reino Unido. Seguem, depois, Alemanha (5º lugar), França (6º), Japão (7º), Rússia (8º), Canadá (9º) e Itália (10º).

 

Balanço 2019

O faturamento da indústria foi de R$ 22,3 bilhões em 2019, levando em consideração a produção de pet food (alimentação), pet care (higiene e bem-estar) e pet vet (medicamentos e outros produtos veterinários). O crescimento em valor entre 2018 e 2019, descontada a inflação de 4,3%, foi de 5,3%.

Pet food representou 73,3% do faturamento da indústria, e movimentou R$ 16 bilhões, seguido por pet vet, com 18,4% (R$ 4 bilhões), e pet care com 8,3% (R$ 1,9 bilhão). O crescimento real da indústria foi liderado por produtos veterinários (pet vet), que foi o segmento que mais cresceu em faturamento entre 2018 e 2019: 10,7%; já pet food e pet care subiram praticamente o mesmo: 4,1% e 4,2%, respectivamente. No segmento pet food houve um crescimento de 3,9% em volume.

 

 

 

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Outras matérias que você pode gostar

Agora Nossa Edição Digital é Gratuita!

Garanta a sua assinatura e receba mensalmente nossas Edições no Formato Digital

Receba nossas novidades em seu Email

Revista Negócios Pet

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.