Revista Negócios Pet

Os cães e as Doenças dermatológicas

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os cães e as Doenças dermatológicas

Em grande parte dos casos, sinais clínicos de possíveis doenças podem passar despercebidos pelos tutores. Os profissionais de pet shops têm o papel importante em reconhecer e informar os donos sobre problemas comuns, como otites, tumores, ectoparasitas e dermatites. Além das razões estéticas, os cuidados dermatológicos dos animais também são essenciais para promoção da saúde e do bem-estar e prevenção de doenças. De acordo com dados da pesquisa Radar Vet, realizada pela Comac (Comissão de Animais de Companhia) do Sindan (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos Veterinários), 32% das idas de cães ao médico-veterinário devem-se a doenças dermatológicas e são 21% no caso dos felinos.

“A rotina de cuidados preventivos é importante, pois em caso de qualquer suspeita o tutor procura um veterinário para dar o correto diagnóstico. Frequentemente, os pets são acometidos por ectoparasitas e alergias que podem provocar intensa coceira, deixando-os vulneráveis a infecções secundárias por fungos e bactérias, provocando piora no estado da pele. A rapidez para iniciar o tratamento gera menos desconforto ao animal e preocupação ao dono”, explica Gabriela Mura, assessora de marketing da Comac.

A pesquisa Radar Vet também mostra que 49% dos animais atendidos em consultórios e pet shops têm pelos longos. Esses animais precisam de atenção dos seus tutores, como a escovação diária dos pelos por exemplo.

A atenção deve ser para arranhões, feridas e a presença de ectoparasitas e para o ouvido dos animais que merece atenção especial, recomendando-se o uso de soluções apropriadas para higienização.

Os banhos em casa não precisam ser experiências traumáticas, começando pela escolha do local, que deve ser limpo e seguro. “Encher uma bacia ou a pia com água morna antes evita que os animais se assustem. Primeiro, o pet precisa ser molhado por completo e com calma para não ficar estressado, em seguida, ter cuidado com olhos e orelhas, que precisam estar protegidos do contato com a água e espuma. Os produtos de banho e tosa devem ser sempre de uso veterinário, pois foram formulados para limpar e proteger os animais de forma segura e eficaz”, explica Juliana Maria Caruso Trigo, analista técnica pet da Ourofino, empresa integrante da Comac, do Sindan.

Confira outras dicas para tornar a hora do banho do seu pet mais relaxante:

  • A escovação antes retira os pelos mortos, os nós e sujeiras da pelagem, facilitando a limpeza.
  • Pets peludos precisam ser esfregados no sentido em que os pelos crescem, diminuindo a chance da formação de nós.
  • O condicionador deve ser aplicado no sentido dos pelos e retirado após alguns minutos.
  • Um pedaço de algodão em cada ouvido ajuda a evitar contato com a umidade, responsável pelo aparecimento de otite.

 

Agora Nossa Edição Digital é Gratuita!

Garanta a sua assinatura e receba mensalmente nossas Edições no Formato Digital

Outras matérias que você pode gostar

Receba avisos dos próximos eventos do setor pet
Inscrever
close-image