Psitacídeos como aves de estimação

Por:

Os psitacídeos são as aves de bico curvo. Os papagaios, calopsitas, periquitos, cacatuas, agapornis, araras, entre outros, pertencem a essa classificação de aves. Animais que aprendem a imitar sons e até mesmo reproduzir a fala humana. Existem as espécies que se destacam ainda mais, como o papagaio do congo ou papagaio cinzento africano (Psittacus erithacus), que possuem uma capacidade cognitiva avançada. Alguns indivíduos que passaram por estudos demonstraram a habilidade de aprendizado e a capacidade de diferenciar formas, cores e até mesmo conseguiam se expressar, pois aprenderam os significados das palavras.

A maioria das espécies de psitacídeos pode viver muitos anos, como os papagaios que possuem uma expectativa de vida de 60 anos em cativeiro. Devido a isso eles têm a necessidade de gerar interações complexas em sociedade, ou seja, em cativeiro devemos explorar a inteligência dessas aves, pois deixá-las entediadas e em um ambiente cognitivamente pobre pode refletir em danos a sua saúde.

Garantir os cuidados específicos para esses indivíduos incluem alimentação correta – ração extrusada para a espécie, frutas e legumes, recinto adequado – livre de alterações abruptas de temperatura, sem riscos de intoxicações e sem contato com outros animais que possam oferecer perigo. Além disso tudo, o tutor precisa se dedicar à sua ave de estimação, estimulá-la, distraí-la, interagir e evitar quadros de estresse. Situações em que o psitacídeo de estimação é privado de distração e de estímulos cognitivos podem afetar sua saúde, desenvolvendo distúrbios como por exemplo a automutilação, que necessita ser investigada quando uma ave passa a apresentá-la, porém problemas comportamentais são as causas mais comuns.

Atualmente existem profissionais capacitados na área de comportamento de aves, com a habilidade de condicionar psitacídeos mantidos em cativeiro, assim facilitando a manutenção dessa ave na casa de seu tutor, além de estimular a inteligência desses animais. O condicionamento permite a ave realizar voos em locais abertos com a supervisão de seus tutores, além de facilitar a interação com outras pessoas e a manipulação dessas aves quando necessitam de cuidados veterinários.

 

Julia Maria Ribeiro é médica-veterinária graduada pela Unesp de Jaboticabal, especialista em Medicina de Animais Selvagens pela Unesp de Jaboticabal e atualmente integra corpo clínico da Clínica Veterinária SOS Animal em Barretos-SP.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Outras matérias que você pode gostar

Receba nossas novidades em seu Email

Revista Negócios Pet

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.