Entendendo o papel dos lipídeos

Por:

Na realidade, a afirmação de que o consumo de lipídeos sempre irá trazer consequências ruins para o organismo é apenas parcialmente verdadeira, isso porque os seus efeitos no corpo dependem não somente da sua quantidade no alimento, mas também do tipo de lipídeo que está sendo ingerido [4].

Pequenas quantidades de lipídeos na dieta são essenciais para o funcionamento do organismo, pois além de serem uma fonte de energia extremamente potente, eles são importantes componentes na absorção de vitaminas lipossolúveis e na modulação do sistema imune, da inflamação e da hemodinâmica [4].

Para que a ação benéfica dos lipídeos seja esclarecida, é necessário primeiro que sejam compreendidas as suas classificações.

Classificação dos lipídeos

Os lipídeos são moléculas formadas a partir da reação de esterificação dos seguintes compostos
orgânicos: ácidos graxos e álcool.

Os ácidos graxos, por sua vez, podem, de uma forma bem resumida, ser classificados segundo a sua estrutura química em ácidos graxos saturados e insaturados [9].

Os ácidos graxos saturados são aqueles que contêm uma única ligação entre carbonos, ou seja, não possuem duplas ligações. São geralmente sólidos à temperatura ambiente. Gorduras de origem animal e alimentos industrializados são geralmente ricas em ácidos graxos saturados.

Este geralmente é o tipo de gordura que pode colaborar para a formação de doenças cardiovasculares, do cérebro, problemas nas artérias, diabetes e obesidade.

Os ácidos graxos insaturados (AGI) são classificados segundo o número e a localização de ligações duplas. Aqueles que possuem uma ligação dupla são denominados monoinsaturados e os que possuem duas ou mais duplas ligações são denominados poli-insaturados. Com base nesta classificação, os principais AGI são classificados nas série ω-3, ω-6 e ω-9. Os ácidos graxos insaturados geralmente são líquidos à temperatura ambiente [2].

Os ácidos graxos monoinsaturados apresentam uma única dupla ligação. Seus principais representantes são os da família ômega 9, sendo o ácido oleico o principal deles. As principais fontes de ácido oleico são os óleos de oliva e canola. Este ácido graxo pode ser produzido pelo próprio organismo, porém, para que isso ocorra, é necessário que ocorra a ingestão de ômega 3 e ômega 6. O ômega 9 está relacionado com menores riscos de desenvolvimento de doença arterial coronariana [8].

As duas principais classes de ácidos graxos poli-insaturados essenciais são o ômega 3 (ω-3) e o ômega 6 (ω-6). Ambos são essenciais aos mamíferos, pois suas células não têm a capacidade de inserir uma dupla ligação e sintetizá-los, por isso estes ácidos graxos devem ser obtidos pela alimentação [3].

Os AGI da série ω-6 são encontrados em castanhas, sementes e óleos vegetais, como os de milho, girassol e soja [7]. O ácido linoleico (LA) é o principal representante da série ω-6. Este AGI normalmente é mais abundante nas dietas e, consequentemente, encontram-se presentes em maior quantidade no organismo. Mesmo sendo essencial para o organismo, o ômega 6 é precursor de mediadores pró-inflamatórios que promovem vasoconstrição e ação pró-agregatória além de aumentar os níveis de LDL sanguíneo [12]. Os AGI da série ω-3 são encontrados nos peixes, principalmente savelha, salmão, atum e anchovas [12]. O ácido α-linolênico (ALA) é o principal representante desta série e é encontrado em plantas e animais marinhos. Após seu metabolismo, o ômega 3 originará os ácidos eicosapentaenoico (EPA) e docosahexaenoico (DHA), que também podem ser encontrados em grandes concentrações nos óleos de peixes de águas frias e profundas, principalmente cavala, sardinha, salmão e truta [2]. Estes ácidos graxos vão produzir metabólitos, denominados eicosanoides, que são responsáveis pela modulação da resposta inflamatória do organismo. O grupo dos eicosanoides é formado pelas prostaglandinas, prostaciclinas, tromboxanos, leucotrienos e derivados hidroxilados, com a principal função de regular a função celular [2].

 

Ômega 3 e o processoinflamatório 

No processo de metabolização, o α-linolênico (ALA) é convertido em ácido eicosapentaenoico (EPA) e em ácido docosahexaenoico (DHA), já o ácido linoleico (LA) converte-se em ácido araquidônico (AA).

Uma vez metabolizado pela via das COXs, o AA será precursor de prostaglandinas E2 (PGE2), tromboxanos A2 (TXA2), prostaciclinas 2 (PCI2) e leucotrienos da classe B4 (LTB4). Esses eicosanoides formados favorecem a inflamação, apresentando ação quimiotática, vasoconstritora e de agregação plaquetária [9].

Por outro lado, o EPA, preferencialmente degradado pela via LOX, será o precursor de prostaglandinas E3 – PGE3, tromboxanos A3 – TXA3 e prostaciclinas 3 – PCI3
e leucotrienos da classe 5 (LTB5), que por sua vez apresentam ações anti-inflamatórias e antiagregação plaquetária. O DHA não é substrato para as vias COX e LOX, mas atua inibindo a síntese de eicosanoides a partir do ω-6, inibindo, portanto, a liberação de AA da membrana [7,12].

Sabe-se que as enzimas envolvidas na produção de eicosanoides “preferem” degradar o ALA, levando à produção de EPA e DHA, do que converter o LA em AA. Portanto, uma vez que são utilizadas as mesmas enzimas no processo de produção tanto de AA, quanto na produção de EPA e DHA, os ácidos graxos da série ω-3 passam a exercer um efeito protetor, impedindo a formação dos eicosanoides derivados do LA e seus efeitos pró-inflamatórios [6].

Diante deste processo de metabolização, a ingestão adequada das duas séries de ácidos graxos poli-insaturados (ômega 6 e ômega 3), em proporções ideais garante o controle dos processos de coagulação e de inflamação [7]. Uma vez que o ômega 6 encontra-se em grandes quantidades nas dietas em geral, observa-se a importância da suplementação adequada de ômega 3 [10].

 

Benefícios

Devido às suas propriedades moduladoras de inflamação, o ômega 3 é indicado e aplicado para toda e qualquer enfermidade com cunho inflamatório associado, tanto em casos agudos como crônicos e/ou degenerativos, nas especialidades de nefrologia, dermatologia, endocrinologia, ortopedia, oncologia, gastroenterologia, oftalmologia, etc. Abaixo, alguns exemplos de condições clínicas para esclarecer o meio de ação do ômega 3:

 

Prevenção de doenças cardiovasculares

Estudos mostram que os ácidos graxos ω-3 possuem efeitos positivos no metabolismo energético do miocárdio na proteção das células endoteliais cardíacas e vasculares e na pressão arterial [4].

 

Modulador de problemas de pele

Segundo Popa et al. (2011), as células epiteliais de animais com dermatite falhas e desarranjos na estrutura da bicamada lipídica. O estudo também mostrou que animais dermatopatas que foram submetidos a um tratamento de dois meses com suplementação de ω-3 melhorou significantemente a organização estrutural dos lipídeos responsáveis pela estruturação da membrana celular. Isso ocorre porque os lipídeos que compõe a bi-camada lipídica celular são o ômega 3 e o ômega 6. Para que a célula permaneça saudável, estes dois tipos de ácidos graxos devem estar em equilíbrio. Mas como as dietas normalmente apresentam uma concentração muito maior de ômega 6 do que de ômega 3, o equilíbro da membrana celular normalmente está comprometido.

Portanto, a suplementação com quantidades adequadas de ômega 3 favorece o equilíbrio da bi-camada lipídica celular, favorecendo também a diminuição dos problemas de pele.

 

Estabilização das atividades renais

Estudos feitos em cães com problemas renais mostraram que animais que receberam uma suplementação rica em ômega 3 não apresentaram perda ou diminuição da função renal. Com valores de creatina urinária e plasmática que mostraram uma melhora na função renal durante o período de teste. Mostrando que a suplementação com ômega 3 possui ação de proteção dos rins [1].

 

Auxílio em ações antitumorais

Pesquisas apontam que os elementos presentes no ômega 3, mais especificamente o DHA, possuem potencial antitumoral por meio de diversos processos, incluindo a supressão da carcinogênese, a redução no crescimento tumoral, a potencialização da resposta a quimio e radioterapia e à modulação de mecanismos epigenéticos relacionados ao desenvolvimento e progressão do câncer [12].

 

Referências técnicas

1. Brown, S.A., Brown, C.A., Crowell, W.A., Barsanti, J.A., Allen, T., Cowell, C., Finco, D.R.; Beneficial effects of chronic administration of dietary ω-3 polyunsaturated fatty acids in dogs with renal insufficiency. J Lab Clin Med, v. 131, n.5, p. 447-455, 1998.

2. Casa Nova, M. A.; Medeiros, F. Recentes evidências sobre os ácidos graxos poli-insaturados da família ômega 3 na doença cardiovascular. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, v.1, n.11, p.74-80, 2011.

3. Dias, Diogo Lopes. “Ácidos graxos”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola. uol.com.br https://brasilescola.uol.com.br/biologia/acidos-graxos.htm. Acesso em 21 de dezembro de 2020.

4. Freeman, Lisa M., 2010. Beneficial effects of omega 3 fatty acids in cardiovascular disease. Journal of Small Animal Practice. 51, 462-470. USA.

5. Guzmán, E.S.C. Bioquímica de Pescados e Derivados. Editora Funep – UNESP, Jaboticabal – São Paulo, 2000.

6. Lee, K. W.; Lip, G. Y. H. The role of omega 3 fatty acids in the secondary prevention of cardiovascular disease. QJM: An International Journal of Medicine, v.96, p.465-480, 2003.

7. Lottenberg, A. M. P. Importância da gordura alimentar na prevenção e no controle de distúrbios metabólicos e da doença cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v.53, n.5, p.595-607, 2009.

8. Mente, A.; Koning, L.; Shannon, H. S.; Anand, S. S. A systematic review of the evidence supporting a causal link between dietary factors and coronary heart disease. Archive International Medicine, v.169, n.7, p.659-669, 2009.

9. Moreira, N.X.; Curi, R.; Mancini Filho, J. Ácidos graxos: uma revisão. Nutrire; rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. FoodNutr., São Paulo, SP. , v.24, p.105-123, dez., 2002.

10. Nasciutti, P.R.; Costa, A.P.A, Júnior, M.B.S.; Melo,N.G.; Carvalho, R.O.A. Ácidos Graxos E O Sistema Cardiovascular, v.11, n.22, p. 11, 2015.

11. Popa, I., Pin, D., Remoué, N., Osta, B., Callejon, S., Videmont, E., Gatto, H., Portoukalian, J., Haftek, M.; Analysis of epidermal lipids in normal na atopic dogs, before and after administration of na oral ômega 6/ômega 3 fatty acid feed supplement. Université Lyon 1, v.35, p. 501-509, 2011.

12. Raposo, H. F. Efeito dos ácidos graxos n-3 e n-6 na expressão de genes do metabolismo de lipídeos e risco de ateroesclerose. Revista de Nutrição, n.23, n.5, p.871-879, 2010.

 

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Outras matérias que você pode gostar

Agora Nossa Edição Digital é Gratuita!

Garanta a sua assinatura e receba mensalmente nossas Edições no Formato Digital

Receba nossas novidades em seu Email

Revista Negócios Pet

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.