O descarte irregular de peixes ornamentais

O descarte irregular de peixes ornamentais

Por:

O descarte de peixes ornamentais é uma prática extremamente comum, que pode parecer inofensiva para a maioria das pessoas, devido principalmente à carência de informações no ramo.

Alguns dos motivos para o descarte são devido a problemas com animais enfermos, onde o dono não conseguiu encontrar tratamento adequado para esse animal e fica com receio de contaminar as espécies restantes presentes no aquário, quando o animal se torna muito grande para o tamanho do aquário, quando não há compatibilidade entre as espécies, quando se deseja inserir novas espécies, ou até mesmo pelo fato de o proprietário não desejar ter mais o aquário e acabar com o hobby.

Diante dessas situações, sem saber o que fazer com o animal e para não sacrificá-lo, o descarte é feito no ambiente natural e pode ocorrer em rios, lagoas, lagos de propriedades rurais e urbanas e esses animais podem migrar e chegar a bacias dos quais não são nativos. Apesar da prática ser bastante comum, o descarte irregular de animais e peixes não nativos é considerado um crime ambiental.

Uma das maiores consequências é o fato de ser prejudicial a outras espécies nativas que habitam na região afetada, pois, se a espécie introduzida não for nativa da região, ela pode comprometer as outras, reduzindo a densidade populacional. Pode causar também produção de híbridos, competição, invasão biológica e pode afetar a qualidade da água, além de ameaçar a biodiversidade local.

Pesquisadores da UEL (Universidade Estadual de Londrina) já encontram espécies como o Betta, Oscar e Espada na região do Paraná e afirmam que retirar todas as espécies não nativas das bacias é inviável.

Uma das soluções encontradas para amenizar o descarte irregular de peixes ornamentais é a conscientização em lojas do ramo de aquarismo e criadores, além da divulgação na internet. É importante que os lojistas avisem e incentivem os clientes a não descartarem esses animais na Natureza, e sim a levar esses peixes aos donos das lojas que possam receber esses animais; ou também incentivar a serem trocados, vendidos ou doados em fóruns e grupos de redes sociais; e a jamais serem descartados em ambiente natural.

Amanda Fernandes é zootecnista pela Unesp de Jaboticabal-SP e integrante do Caunesp (Centro de Aquicultura da Unesp). amandafernanddes@hotmail.com

 

 

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Outras matérias que você pode gostar

Receba nossas novidades em seu Email

Revista Negócios Pet

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.