Revista Negócios Pet

Comac apresenta resultados de pesquisa sobre o setor pet brasileiro em 2020

Comac apresenta resultados de pesquisa sobre o setor pet brasileiro em 2020

Levantamento indica crescimento expressivo de todas as categorias de produtos pet com expectativas otimistas para expansão.

Se a pandemia do coronavírus revelou uma coisa sobre a indústria pet é que o segmento é resiliente e se encontra em rápida expansão. Mesmo tendo uma queda de cerca de 30% no faturamento no 2º trimestre de 2020, o mercado pet se recuperou e teve uma forte retomada no segundo semestre, de acordo com os dados da Comac (Comissão de Animais de Companhia), parte do Sindan (Sindicato Nacional das Indústrias de Produtos para a Saúde Animal).

O faturamento bruto do setor foi de R$ 5 bilhões em 2020, valor 15% superior ao ano anterior. Esse é um dado otimista já que tantos setores enfrentaram uma grande queda no mesmo período. O levantamento também mostra que todas as categorias de produtos pet tiveram crescimento expressivo, com destaque para ectoparasiticidas
(24%), produtos terapêuticos (22%), vacinas (16%) e produtos dermatológicos (15%), fechando uma média
de 19,25%.

Mesmo com incertezas econômicas, as previsões da Comac estimam que o setor cresça dentro da sua base histórica de 15% a 18% em 2021, principalmente por conta do estreitamento de laços afetivos entre os tutores e os pets. O número corresponde a quase o dobro do crescimento mundial de 2020, que foi de 6,1%, segundo estimativas da Global Market Insights.

Segundo a pesquisa Radar Pet da Comac, os brasileiros enxergam os pets como um filho ou membro da família. Por conta disso, a saúde dos animais de companhia é considerada tão importante dentro do lar quanto das demais pessoas. Também existe uma grande preocupação com o envelhecimento do pet e o cuidado com a saúde preventiva dos animais.

Isso condiz com a expectativa de que aumente o investimento dos tutores no bem-estar dos animais, potencializando o crescimento do mercado pet. O coordenador da Comac, Leonardo Brandão, acredita que a rápida recuperação do setor demonstra os efeitos que a pandemia teve na relação entre os tutores e seus pets.

Apesar de possuir características próprias, o mercado pet é sensível à queda do varejo. O ponto importante que eu vejo é que essa recuperação acelerada no segundo semestre de 2020 se deve a um fator interessante: a reclusão das pessoas em casa e o maior contato com os seus pets fez com que os tutores prestassem mais atenção às suas
necessidades, o que pode ter sido um dos motivos da aceleração do setor, associado a um aumento no número de adoções pelos tutores. Acreditamos que esse cuidado vá continuar mantendo o setor aquecido”, observa.

“A pandemia modificou muito a relação do tutor com o pet, mas também a forma como o veterinário e o lojista se comunicam. O que percebemos é que as famílias adotaram mais, inclusive tendo um grande percentual de pessoas que adquiriram o primeiro pet durante a pandemia. Os animais de companhia são extremamente importantes para
a saúde e o bem-estar emocional das famílias durante esse período de estresse. E isso alavancou as adoções,
que já era uma tendência forte, mas foi alavancada”, comenta Leonardo Brandão, coordenador da Comac.

Um dos principais pontos relevados pela pesquisa da Comac é o aumento do número de pets nos lares brasileiros, crescimento que foi acelerado pela pandemia. Cerca de 30% dos pets do estudo foram adquiridos durante o período de isolamento social, com uma predominância maior de gatos entrando nos lares brasileiros. Outro dado interessante é que 23% dos tutores adquiriram seu primeiro pet durante a pandemia.

A principal porta de entrada dos animais das famílias brasileiras é por meio da adoção, forte tendência no Brasil. A adoção de felinos foi superior, principalmente na região Norte, confirmando a tendência indicada pelo levantamento anterior de que os gatos futuramente serão os pets predominantes no Brasil.

Entre os felinos, 84% foram adotados e, entre os cães, 54% são frutos de adoção. Os animais adotados costumam estar na faixa etária mais jovem. Sobre o perfil de tutores que adotaram pets durante a pandemia, pessoas que moram sozinhas foram predominantes. A região Sul também apresenta maiores taxas de adoção. Mas entre os adotantes
de gatos, casais sem filhos foram a maioria. Confira alguns destaques do levantamento da Comac:

Aumento em compras online e tempo com os pets

Nas mudanças de hábitos de consumo e comportamento, as compras on-line e o desejo de aproveitar mais a companhia dos pets são os principais destaques.

Cerca de 74% das pessoas fizeram mais compras por plataformas digitais e a maioria pretende manter esse hábito mesmo após a pandemia. Além disso, 73% conseguiram desfrutar mais tempo com os animais de companhia.

Maior cuidado com a saúde

O levantamento ainda indica que os tutores começaram a cuidar melhor dos animais e frequentar mais os veterinários. Muitos dos tutores de cães levaram os animais a alguma consulta veterinária durante a pandemia, sendo a maioria para prevenção ou aplicação de vacinas. Consultas em domicílio foram bem avaliadas pelos participantes da pesquisa, assim como compras on-line para produtos e medicamentos voltados para os pets.

Fortalecimento dos laços com os animais

O percentual de tutores que enxergam os animais como filhos ou membros da família aumentou, mostrando que o período também foi relevante para fortalecer os laços entre aqueles que permaneceram com seus animais. Também diminuiu o percentual de pessoas que enxergam os animais apenas como um bicho de estimação.

Digitalização do setor veterinário

Além do aumento das consultas on-line, os veterinários também aumentaram a presença nas redes sociais, se comunicando com clientes em pelo menos duas redes sociais. Outro ponto interessante é a compra de medicamentos on-line. Anteriormente, as compras eram voltadas majoritariamente por rações e acessórios. Mas a digitalização de pet shops e as lojas do setor geraram confiança para outros produtos serem comercializados de forma digital.

Busca maior por informações

Os tutores também pesquisaram bastante sobre temas como contágio e transmissibilidade da Covid-19 em pets, leram sobre saúde animal e medicamentos na internet e assistiram a vídeos e lives com temáticas voltadas para o bem-estar dos pets.

Aumento do abandono

Na contramão das altas de adoção, a pesquisa da Comac estima que cerca de 10 milhões de animais de companhia foram abandonados durante a pandemia. Cerca de 40% dos respondentes afirmaram que conhecem alguém que abandonou um pet neste período. Estima-se que isso tenha ocorrido em razão da perda de poder aquisitivo de grande parte da população.

Gostou do conteúdo desta matéria? Compartilhe com seus amigos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Revista Negócios Pet

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.

Receba nossas novidades e promoções

Fique tranquilo, não enviamos spams e nem compartilhamos seus dados.

A Revista Negócios Pet é direcionada para lojistas de pet shop, escolas de banhos e tosa, clínicas veterinárias e lojas de aquário.É uma vitrine de novidade com produtos e de acessórios mais utilizados pelos profissionais da área, assim podem trabalhar com as melhores marcas do mercado pet.