A angústia existencial diária

Você já se tocou do quanto é angustiado em decidir? Vou ou não? O que falarão de mim?

O ego do indivíduo luta contra o seu instinto mais íntimo, em especial de obter prazer (Freud chamou de ID uma parte do inconsciente, que é totalmente hedonista, quer prazer) contra a moral da sociedade, família, igreja (o superego, para Freud). Fazer ou não? Angústia, moral, costumes. Freud externou o conceito de “ego ideal” versus o “ideal do ego”. O primeiro é o ideal que a sociedade, o meio, a família espera de nós: o ser humano ideal, as virtudes como pai, esposa, marido, filho, etc. A família insere na personalidade do filho ou filha, nas primeiras duas décadas, o que entende como ideal para ele.

Por exemplo: casar na igreja com um rapaz “de família”, honesto, protetor, trabalhador. A moça, porém, tem o seu ideal para seu próprio ego: ela é gay, não pretende se casar e quer viajar o mundo! Conflito entre o ego ideal e ideal do ego, que leva muitos à “angústia existencial”. A consciência, o ego deve equilibrar e decidir entre sua moral, a de seus entes queridos e da sociedade e seus próprios valores e princípios, talvez mais ainda, de seus desejos.

Poucos vivem sem esta angústia. E se você se conectou a este conteúdo, vive conflitos, parabéns: você é humano! Todos os temos, alguns querem sofrer menos e procuram mudar. Sim as pessoas podem mudar substancialmente, mudando sua forma de pensar sobre a vida, sobre seus infortúnios, traumas passados e pressões atuais. Mudar seu estilo de viver, da empresa, da vida profissional.

É difícil e muito! O caminho é conhecer-se intimamente, lidar com os conflitos, medos, vergonhas, arrependimentos, culpa. Leva anos, doerá muito, a vontade de desistir é imensa, por isso a minoria avança e vence. Precisa-se de ajuda profissional, constantemente, por anos.

Ninguém resolve suas agruras totalmente, mas é libertador entender-se, aliviar sofrimento, fazer as pazes com o passado, perdoar as ofensas, e o mais difícil: perdoar-se.

Invadir, profundamente, sua própria mente requer coragem e humildade, poucos as tem. É mais fácil culpar alguém, ou querer que o outro mude!

E continuarão sofrendo sem nem saber exatamente por que, e causando incômodo ao redor, trazendo discórdia, atrapalhando o ambiente, a família, os amigos. Encontrar-se exige muita coragem e disciplina. É para poucos. A decisão é sua!.

Marco Antonio Gioso CRMV-SP 5642

 

 

 

Comentários
Carregando...